terça-feira, 19 de outubro de 2010

A Ilha da Páscoa

Image and video hosting by TinyPic

A Ilha foi descoberta pelo holandês Jacob Roggeveen,em 5 de Abril,Domingo de Páscoa,em 1772,daí o seu nome de baptismo,que permanece até hoje.Ele encontrou uma população enfraquecida,devido ás sucessivas guerras, entre clãs,pelo poder e pelos parcos recursos naturais da ilha.Praticamente nenhum animal além de ratos habitava a ilha, e os nativos não tinham acesso a embarcações desenvolvidas para navegar em alto mar.Apesar de serem parentes,os vencidos,não eram poupados e alguns sofreram actos de canibalismo.A varíola surgiu com os primeiros contactos dos europeus,na primeira metade do século dezanove,deixando vivos apenas 111 nativos.
A origem dos primeiros habitantes é incerta,alguns investigadores afirmam que navegadores taitianos aportaram aqui,depois de vários meses perdidos no mar.Mas outros afirmam que poderiam ser americanos da cultura pré-incaica.Contudo descobertas de anzóis,arpões(e outros utensílios),a lingua indígena,os Moais e o DNA analisado,tirado de doze esqueletos enterrados,leva a concluir que,de facto,a sua origem possa ser da Polinésia.Registra-se a possível ocupação da ilha por volta de 300-400 d.C.

Image and video hosting by TinyPic

O rongorongo era o seu sistema de escrita,que ainda não foi decifrado.Os Moais,suas estátuas gigantestas,fixam a costa como sentinelas eternos.Esta estátuas têm de 5 a 21 metros de altura,personificam os chefes fundadores das dez tribos da ilha,muitas tiveram que ser transportadas de grandes distâncias,para junto do mar.Perto do vulcão Raraku,várias delas estão espalhadas pelo chão,indicando que deixaram de ser produzidas de repente...É muito comum os ilhéus chamarem a ilha,seu povo e a sua cultura de Rapanui,contudo esse termo só foi introduzido na ilha no século dezanove,por navegadores taitianos,que acharam a ilha parecida na forma e dimensão,com a ilha de Rapa na Polinésia.

Um Fatal Destino;

Esta ilha é de origem vulcânica e tem a forma triangular,localiza-se a sul do oceano Pacífico,nos limites da Polinésia Oriental.A sua geografia sempre representou grandes desafios para os seus colonizadores(como ainda é hoje).O seu clima é demasiado quente para os europeus e demasiado frio para os polinésios.É bastante ventoso e o mar demasiado frio para a formação de corais,devido a isso não há muitas espécies de peixe,apenas 127.A chuva apesar de abundante infiltra-se rapidamente no solo poroso vulcânico.havendo,portanto,limitação de água potável.Somente com muito esforço os insulares conseguem água suficiente,para beber,cozinhar e cultivar.
A ilha pertence,hoje,ao Chile desde 1888,a sua população é de pascoanos legítimos e chilenos do Continente.

Image and video hosting by TinyPic

A Ilha de Páscoa dos tempos antigos era formada por uma floresta subtropical, com árvores de grande porte como a Paschalococos,também conhecida como Palmeira da Ilha de Páscoa, uma árvore adequada para a construção de casas e canoas. Com a vegetação natural da ilha,os nativos tinham lenha e recursos para fazer cordas.Em função das suas embarcações resistentes, eles viviam com uma dieta à base de peixes.Havia uma complexa estrutura social,com um governo centralizado e sacerdotes religiosos,que mantinha a ordem da sociedade.
Foi essa sociedade da Ilha de Páscoa que construiu as famosas estátuas e transportou-as ao redor da ilha usando plataformas de madeira e cordas construídas com materiais extraídos das grandes palmeiras.A construção dessas estátuas aconteceu durante o apogeu da civilização nativa,entre os anos 1200 e 1500. Entretanto,as recentes análises do pólen indicam que foi neste exato momento que a população de árvores da ilha sofreu um rápido declínio.
Por volta do ano 1400, a Palmeira da Ilha de Páscoa se tornou extinta devido ao desmatamento excessivo.Sua capacidade de se reproduzir tornou-se severamente limitada pela proliferação de ratos,que comiam as suas sementes.Nos primeiros anos após o desaparecimento da palmeira,antigas pilhas de lixo revelam que os ossos de peixes também sofreram um declínio acentuado.Isso é explicado pelos nativos não terem mais acesso às grandes palmeiras para construir suas embarcações e,portanto, não podiam mais fazer viagens para o mar.Consequentemente,o consumo de aves terrestres,aves migratórias e moluscos aumentou nesse período.Logo,as aves terrestres também foram extintas e os números de aves migratórias foi severamente reduzido– a receita ideal para o fim das florestas da Ilha de Páscoa.Sob intensa pressão por parte da população humana,em busca de lenha e materiais de construção, as florestas perderam seus animais polinizadores e dispersores de sementes com o desaparecimento das aves.Hoje, apenas uma das 22 espécies de aves nativas da ilha pode ser encontrada.
Com a perda das suas florestas, a qualidade de vida dos nativos despencou.Córregos e água potável desapareceram rapidamente.As colheitas diminuíram em função da erosão provocada pelo aumento na intensidade dos ventos,chuvas e sol.Fogueiras tornaram-se um luxo,uma vez que não havia mais madeira na ilha.Enquanto puderam,os nativos acendiam fogueiras com grama seca.Os habitantes da ilha começaram a morrer de fome, sem animais ou plantas para alimentação.A sociedade organizada desapareceu e o caos e desordem tomou conta.Sobreviventes formaram pequenos grupos e confrontos eclodiram.Quando os europeus chegaram em 1722, não havia quase nenhum sinal de que, um dia,uma grande civilização havia governado a ilha.
A Ilha de Páscoa é um exemplo perfeito do que o desmatamento generalizado pode fazer para uma sociedade. Como as florestas se tornam esgotadas, a qualidade de vida cai e,por consequência,a ordem é perdida.O exemplo da Ilha de Páscoa deve ser suficiente para repensarmos as nossas práticas actuais e tomarmos medidas para que não volte a acontecer,mas em escala global...!!!!

Sem comentários:

Enviar um comentário