quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Viriato,Herói Lusitano

Iberia

Pouco se conhece sobre a vida de Viriato. Não se sabe a data nem o local exacto onde nasceu e a única referência à localização da sua tribo nativa foi feita pelo historiador grego Diodoro da Sicília que afirma que ele era das tribos Lusitanas que habitavam do lado do oceano(Atlântico),mas liga-se muito Viriato aos Montes Hermínios(Herminius Mons)ou "Montes de Hermes"(deus greco-latino dos pastores,também conhecido por Mercúrio),hoje chamada,Serra da Estrela.
Viriato não era um mero pastor de rebanho,como muitos afirmam,pertencia à classe dos guerreiros,a ocupação da elíte,a minoria governante.Ele era conhecido entre os romanos como "Dux do exército Lusitano",como "Adsertor"(protector)da Hispania,ou como Imperator,provavelmente da confederação das tribos Lusitanas e Celtiberas.

Iberia

Tal com referi anteriormente,a ideia de Viriato ser apenas um pastor não é correcta.Segundo o historiador e professor,autor da sua biografia;Mauricio Pastor Muñoz,Viriato seria um aristocrata proprietário de cabeças de gado.Tito Lívio descreve-o como um pastor que se tornou caçador e depois soldado,dessa forma teria seguido o percurso da maioria dos jovens guerreiros,que se dedicavam a fazer incursões para capturar gado,à caça e à guerra.Sabemos que na tradição Romana os antepassados mais ilustres eram pastores,e Viriato é comparado àquele que teria sido o pastor mais ilustre que se tornou no rei de Roma;Rómulo.A ideologia do rei-pastor, o pastor que se tornou rei, está presente na tradição de várias culturas para além da Grega e da Romana.A metáfora do rei- pastor de Homero era frequentemente usada para dar ênfase às funções e deveres de um rei.Havia quem pensasse que Viriato tinha uma origem obscura no entanto Diodoro da Sicília também diz que Viriato;"demonstrou ser um príncipe".

Iberia


A Temível Falcata Ibérica

Os Lusitanos homenageavam Viriato com os títulos de "Benfeitor",(Grego;"Evergetes")e "Salvador",(Grego;"Soter"),os mesmos títulos honoríficos usados pelos Reis da Dinastia Ptolemaica.
Ele foi descrito como um homem que seguia os princípios da honestidade e trato justo e foi reconhecido por ser exacto e fiel à sua palavra nos tratados e alianças que fez.Diodoro disse que a opinião geral era de que ele tinha sido o mais amado de todos os líderes lusitanos.
Depois de defender vitoriosamente as suas montanhas,Viriato lançou-se decididamente numa guerra ofensiva.Entra triunfante na Hispânia Citerior,divisão Romana da Península Ibérica em duas províncias,Citerior e Ulterior,separadas por uma linha perpendicular ao rio Ebro e que passava pelo Saltus Castulonensis(a actual Serra Morena,em Espanha),e lança contribuições sobre as cidades que reconhecem o governo de Roma.Dois tipos de guerra foram atribuídos a Viriato,"Bellum",quando ele usava um exercito regular,e "latrocinium", quando os combates envolviam pequenos grupos de guerreiros e o uso de tácticas de guerrilha.Para muitos autores, Viriato é visto como o modelo do guerrilheiro.
Em 147 a.C. opõe-se à rendição dos Lusitanos a Caio Vetílio que os teria cercado no vale de Betis,na Turdetânia.Derrotaria os romanos no desfiladeiro de Ronda,que separa a planície de Guadalquivir da costa marítima da Andaluzia,onde viria a matar o próprio Vetílio. Mais tarde,nova vitória contra as forças de Caio Pláucio,tomando Segóbriga e as forças de Cláudio Unimano que,em 146 a.C.,era o governador da Hispânia Citerior.No ano seguinte as tropas de Viriato voltam a derrotar os romanos comandados por Caio Nígidio.
Ainda nesse ano,Fábio Máximo,irmão de Cipião,"o Africano",é nomeado cônsul da Hispânia Citerior e encarregado da campanha contra Viriato sendo-lhe,para isso, fornecidas duas legiões.Após algumas derrotas,Viriato consegue recuperar e,em 143 a.C. volta a derrotar os Romanos,empurrando-os para Córdova.Ao mesmo tempo, as tropas Celtibéricas revoltavam-se contra os romanos iniciando uma luta que só terminaria por volta de 133 a.C. com a queda de Numância.
Em 140 a.C. Viriato inflige uma derrota decisiva a Fábio Máximo Servilliano,novo Cônsul,onde morreram em combate cerca de 3000 romanos.Servilliano consegue manter a vida oferecendo promessas e garantias da autonomia dos Lusitanos e Viriato decide não o matar.Ao chegar a Roma a notícia desse tratado,este foi considerado humilhante para a imponência Romana e o Senado volta atrás,declarando guerra contra os Lusitanos.
Assim, Roma envia novo general,Servílio Cipião,que tinha o apoio das tropas de Popílio Lenas.Renova os combates com Viriato,mas este mantém superioridade militar e força-o a pedir uma nova paz.Envia,neste processo,três comissários de sua confiança, Audas,Ditalco e Minuros.Cipião recorreu ao suborno dos companheiros de Viriato,que assassinaram,cobardemente,o grande chefe enquanto dormia.Um desfecho trágico para Viriato e os Lusitanos,e vergonhoso para Roma,superpotência da época, e que se intitulava arauto da civilização.
Depois de Viriato morrer,Quinto Sertório,antigo general Romano tornou-se líder do exército Lusitano até ser capturado.
Sem a forte resistência de Viriato,Decius Junius Brutus pôde marchar para o nordeste da Península,atravessando o rio Douro subjugando a Galiza.

Sem comentários:

Enviar um comentário