terça-feira, 28 de junho de 2011

A Princesa de Eboli

Biografias

Devo dizer que assisti a esta minisérie e aa personagens trágicas afectou-me de forma a desejar postar aqui a história...

Doña Ana de Mendoza y de la Cerda, Princesa de Eboli(Duquesa de Pastrana,segunda & terceira Princesa de Melito,Marquesa de Algecilla,segunda Duquesa de Francavilla e terceira condessa de Aliano),nascida a 29 de Junho de 1540,em Cifuentes e falecida a 2 fevereiro 1592,em Pastrana.Era considerada uma das maiores belezas da Espanha, apesar de ter perdido um olho num duelo de espadas(desporto em que era exímia),de brincadeira,quando era jovem.
D.Ana era a única filha de D. Diego de Mendoza, Principe de Melito e neto do grande Cardeal Mendoza.D.Diego, em 1538 casou-se com Catherine de Silva, irmã do conde de Cifuentes.

Primeiros anos;

Sua infância foi muito afectada pelas constantes discussões e separações dos seus pais,em grande parte,devidas ao carácter mulherengo de D.Diego e D.Ana Apoia sua Mãe.
Esta rica herdeira,casou-se,por recomendação do príncipe Filipe,com D.Rui Gomes da Silva(1516-1573),filho mais novo de um nobre Português,muito mais velho do que ela.D. Rui tinha acompanhando D.Isabel de Castela, a futura esposa de Carlos V, e entrou ao serviço de Filipe II e ganha a sua amizade,elevando-se económica e politicamente.Era secretário e homem de confiança de Filipe II.D.Ana tinha apenas doze anos de idade (1552).
D.Rui liga-se,assim,por casamento com os poderosos Mendoza. Como a noiva era muito jovem,ficaria alguns anos em casa com seus pais até á consumação do casamento.No casamento, o pai de Anne deu-lhes o título de Condes de Melito, permanecendo ele como Duque de Francavilla.D.Ana acompanha sua mãe em 1557,á Corte em Valladolid,onde está a Princesa Regente Joana, e novos escândalos acontecem entre sua mãe e seu pai,após descobrir-se uma filha ilegítima (Maria de Mendoza) e um novo amor.
O casamento não foi consumado até 1557.D. Ana e D.Rui viviam juntos desde a volta deste em 1559 e tiveram seis filhos nos treze anos do casamento.D Rui, embora tivesse algumas disputas com o sogro, conseguiu,que este fosse presidente doConselho de Itália em 1558 e vice-rei. O objectivo parecem ser escolhido principalmente,para afastar D. Diego o mais possivel.
Na sua tentativa, frustrada pela morte de alcançar poder para os seus filhos,comprou ao sogro Eboli, no reino de Nápoles.Filipe II nomeou-o Príncipe de Eboli em 1559. Então, ele comprou casas em Valderacete e Estremera, foi nomeado depois Duque de Estremera, e finalmente comprou a villa Pastrana (1569)e foi nomeado em 1572 a Duque de Pastrana por Felipe II de Espanha. Então,D. Ana tornou-se a primeira Princesa de Eboli e a primeira Duquesa de Pastrana.
Após a morte,repentina,do seu marido em 1573,D.Ana foi obrigada a dispor do seu património vasto e no resto da sua vida teve uma existência complicada. Graças ao seu nome de família influente,consegue bons casamentos para seus filhos. Sua filha mais velha D.Ana casaria com D. Alonso Perez de Guzman el Bueno y Zúñiga, VII duque de Medina Sidonia, o seguinte,D. Rodrigo, herdaria o Ducado de Pastrana,D.Diego seria Duque de Francavilla, vice-rei de Portugal e Marquês de Alenquer.Seu filho D.Fernando, com a possibilidade de um cardeal,entrou na religião, mas este escolheu ser franciscano mudou o nome para Frei Gonzalez de Mendoza (como o seu avô o Grande Cardeal Mendoza) e chegaria a ser arcebispo.

A corte de Filipe II e as Suas Intrigas;

Devido á sua alta posição, ela manteve relações estreitas com o ex-Príncipe e, mais tarde rei Filipe II,foi tida como amante do rei, principalmente durante o seu casamento com a jovem Isabel de Valois.Pensa-se que D.Rodrigo filho da Princesa de Eboli era filho do Rei(embora haja quem diga que não...)
Filipe II era um rei despota e não tolerava nada que fosse contra a sua vontade,mas D.Ana era firme nas suas decisões e verdadeira,contra a vontade do rei,deixou-se pintar nua,além de que uma vez viúva (1573) tornou-se amante de D. Antonio Perez, secretário do rei. D.Antonio era seis anos mais velho,casado(com uma bondosa senhora)e com filhos. Esta relação foi descoberta por Juan de Escobedo, secretário de D. João da Áustria,tirmão do rei,que também manteve contatos com os holandeses. Escobedo aparece morto,e a opinião pública acusa ​​Perez,mas parece ter sido a mando do rei,por motivos politicos,já que Escobedo apoiava D.João da Austria a casar-se com Maria Stuart e assim conseguir a Inglaterra.
Era uma época de muitas intrigas,já que D.Sebastião tinha desaparecido na batalha de Alcácer-Quibir,deixando a coroa Portuguesa sem rei,com inumeros pretendentes...Filipe II ansiava pela coroa,dizendo que era o legitimo descendente.
A Corte estava cheia de informantes e o facto de D.Ana ser bem vista em Portugal,temiam que ela apoia-se a causa Portuguesa para a coroa...além disso,Filipe II descobriu a relação de D.Ana com D.Antonio e a sua pintura.Furioso e despeitado ordenou a prisão imediata dos dois amantes.D.Antonio foi torturado para confessar o assassinato de Escobedo,tendo a morte em vista.D.Ana foi presa sem qualquer conforto na Torre de Pinto e ficou doente,sem piedade de Filipe II.
A razão(ou razões)concreta,até hoje,nunca se soube,mas parece provável,que a tentativa de ter um culpado na morte de Escobedo,a relação dos dois nobres(contra a sua vontade),a pintura e o medo que tinha o rei de poder perder a coroa Portuguesa,leva á condenação dos amantes.
Mas após doença grave o rei transfere a Princesa para o Palácio Ducal de Pastrana,não podendo sair e sendo vigiada.
Parece que D.Antonio,é salvo da morte pela princesa,pela mulher e por alguns amigos,que subornam os guardas,fugindo para Aragão.

Consequências;

Filipe II,descobre que ela estava por trás da fuga e retira-lhe a tutela dos filhos mais pequenos,além das suas criadas,apenas restando três,para a ajudarem.D.Ana filha mais velha,não aceitou deixar a mãe,vivendo assim em reclusão,no quarto,com janelas e portas fechadas com grades e tijolo,apenas com um nicho,pelo qual as criadas as mantinham de bens necessários.Viviam as duas na mais extrema reclusão,sem verem ninguém,nem sol,nem lua...No seu ultimo fôlego,D.Ana de Mendoza,Princesa de Eboli,apenas teria ,á sua beira,a filha que se tornaria freira.Morre uma Princesa corajosa,não indo nunca contra seus valores e suas vontades,apesar de tal desdita,imputada por um rei déspota,num reino em que apenas a sua vontade contava!!!
D.Ana nunca soube porque caíra em desgraça e D.Antonio(após tentativa de o capturarem em Aragão)foge para França.

Sem comentários:

Enviar um comentário