quarta-feira, 15 de junho de 2011

Quem traiu a família de Anne Frank?

Biografias

Foi o pai de Anne Frank chantageado pelo traidor da família?

A escritora Britânica Carol Ann Lee,no seu livro"A vida oculta de Otto Frank
",pretende dizer-nos que Frank traiu a família(Inconscientemente ou não...) ,explicando que Otto Frank foi chantageado pelo Nazi Holandês Tonny Ahlers,provavelmente desde sempre...Membros da família Ahlers têm corroborado a acusação de Lee, e é provável que Otto Frank preferia que o Mundo não o soubesse - o governo holandês em particular - que ele continuava a fazer negócios com o regime nazista durante a guerra.Isso realmente faz sentido e leva-nos a profundar a complexidade da personagem de Frank...
A familia é traída e levada á força do anexo onde viviam,teria o mesmo destino da maioria dos judeus de Amsterdão;separados deportados para campos de extermínio. Após serem presos,um dos trabalhadores de Otto Frank, seu fiel Miep Gies, conseguiu pegar alguns livros de anotações que ele encontrou,entre os quais o diário da filha mais jovem Anne Frank.
As suspeitas sobre a pessoa que traiu a família Frank sempre caíram sobre um homem chamado Van Maaren, o gerente de uma loja,propriedade do pai de Anne, no entanto, com base em algumas cartas inéditas até à data,vislumbra-se uma história de intrigas e chantagens que aponta para um novo responsável e, o mais notável de todos, envolve Otto...
O traidor, de acordo com Carol Ann Lee foi um pequeno um criminoso,de 26 anos, que era um fanático anti-semita. Tonny Ahlers foi chamado e sentia uma profunda animosidade para com Otto.
Como é então que Otto Frank foi uma das poucas pessoas dispostas a escrever cartas de apoio a Ahlers quando esse homem foi preso?

Frank pertencia a uma bem estabelecida família judia alemã,e tinha lutado com os alemães na I Guerra Mundial,quando foi condecorado com a Cruz de Ferro.Sabiamente optou por levar a família para a Holanda, logo após Hitler atingir o poder,onde se estabelece em Amsterdão e numa loja especializada na fabricação e venda de pectina, uma substância derivada do suco de uma fruta que é usado como conservante.
Quando a guerra foi declarada em setembro de 1939, Otto pensava deslocar a sua família novamente, desta vez para a América, mas a Alemanha invadiu a Bélgica, Luxemburgo, França e Países Baixos, depois de uma breve resistência,capitulou em 14 de Maio.
Os alemães fizeram uma entrada arrebatadora na Holanda. Havia 140 mil judeus no país, dos quais 60% viviam em Amsterdão. Um dos membros do Conselho Nacional do Partido Socialista holandês foi Ahlers, não desprovido de charme e um ódio veemente aos judeus.
A 22-23 fevereiro de massa nazista caiu sobre o bairro judeu e a retirou das suas casas 425 homens,mulheres e crianças,onde os arrastaram para a praça principal e os espancaram antes de serem enviados para os campos de Buchenwald e Mauthausen.
Foi nessa altura que Ahlers e Otto Frank cruzaram seus caminhos. Em 18 de abril de 1941 Ahlers chegou aos escritórios corporativos de Otto Frank, Opekta, no Prinsengracht número 263.
Não se sabe o que aconteceu entre Ahlers e Otto, mas depois de um certo tempo,numa carta a um amigo, Otto afirmou que Ahlers não tinha o chantageado diretamente, porém, havia lhe dado 10 florins. Ele acrescentou que Ahlers voltava , e quando o fazia, dava-lhe mais dinheiro.Ahlers estava curioso porque não se conformava com a idéia de que ele era um judeu que andava bem vestido e falava holandês com um tom educado alemão. Assim começou a observá-lo profundamente.
Ele logo percebeu que Otto Frank também tinha negócios com os alemães. Após a invasão havia feito entregas aos intermediários no alto comando alemão, em Berlim e recebera bens a partir deles.
Ao fazer o negócio com os alemães, ele estava recebendo proteção não só para empresas mas também para sua família. Após esses encontros com Ahlers, Otto sabia que o nazista não engoliria por mais tempo a protecção a um judeu e Pectacon entrou em liquidação.Os escritórios e armazém foram para Prinsengracht um edifício do século XVII,ligado a um anexo de cinco salas...um lugar ideal para se esconder.
No maior segredo levou-se para o Anexo móveis, roupas, utensílios e alimentos. Os trabalhadores holandeses de Otto não hesitaram em ajudar. "Sabíamos que se eles estivessem escondidos seriam sentenciádos a uma morte certa", disse Miep Gies,uma de suas secretárias.

Em novembro de 1941, juntamente com todos os outros judeus alemães dos territórios ocupados, Frank perdeu sua nacionalidade, e em 05 de dezembro teve que fazer um pedido de "emigração voluntária". Em 11 de Dezembro, os Estados Unidos entraram guerra.
No mês de julho de 1942, os planos de Otto estavam em fase de conclusão. Foi então que, em 05 de julho,sua filha Margot de 16 anos, foi obrigada a apresentar-se para a deportação para um campo de concentração. No dia seguinte, os Frank esconderam-se com a família Van Pels, e um dentista Fritz Pfeffer. Otto deixou uma carta dizendo que um amigo do exército ajudou a família a fugir para a Suíça.Assim eles iriam passar 25 meses na clandestinidade.

Em fevereiro de 1943, o edifício foi vendido para um novo proprietário, membro do partido nazista holandês.Ele queria ver o anexo, mas um dos ex-funcionários de Otto disse que tinha perdido a chave de acesso. .
Enquanto isso,a vida plácida de Ahlers chegou ao fim. Acossado por dívidas, foi obrigado a mudar para um lugar pequeno.Precisava de dinheiro e dar mais uma vez provas de extremamente valioso aos olhos das pessoas que ele respeitava, incluindo Maarten Kuiper, um amigo proeminentes anti-semita, responsável por ter localizado e entregue mais de 250 judeus.
A maré da guerra virou contra a Alemanha e, no verão de 1944, seus esforços foram concentrados no trabalho de defesa e não a perseguição dos judeus remanescentes em Amsterdão. Então, na manhã de 4 de agosto de 1944, o anexo da Prinsengracht foi invadido pela Gestapo e por três membros do partido nazista holandês.
O Mandatário fora Maarten Kuiper, que não poderia ter conhecido o local onde a família Frank se escondera,só se tivesse ajuda de um do homem que tinha verdadeira obsessão; Ahlers. Os fugitivos ​​foram levados para Westerbork, um campo de trânsito no norte do Holanda.E em 02 de setembro foram levados para campos de extermínio.


Biografias

Em péssimas condições, as duas irmãs, Frank e a sua mãe sobreviveram até Anne e Margot serem transferidas para Belsen em 18 de outubro de 1944 onde morreu de tifo em Março de 1945.A mãe, Edith, morreu em 06 de janeiro de 1945, três semanas antes de Auschwitz ser libertada pelos russos. O pai, Otto foi um dos 45 homens e 82 mulheres que sobreviveram dentre os 1.019 deportados de Westerbork.

Quando Otto Frank voltou para a Holanda em 1945, foi com a sua nacionalidade alemã, um inimigo da nação,ter sofrido a perseguição por ser judeu não valia nada para as autoridades holandesas.
Em 18 de julho, ele foi informado da trágica morte das suas duas filhas. Dois dias mais tarde teve uma reunião com Tonny Ahlers, que estava então na prisão por sua colaboração com os nazistas.
Ahlers sabia demais. Ele sabia que a sua empresa durante a guerra,tinha dado algumas boas prestações para a Wehrmacht,além de outras coisas,por isso era necessário o silêncio dele. Essa é a razão pela qual enviou cartas de apoio a Ahlers,ás autoridades.

Em janeiro de 1948 abriu-se um inquérito sobre a traição da família Frank. Em 30 de agosto de 1948 Kuiper foi executado.No entanto, Tonny Ahlers foi libertado da prisão lançamento em 1949, talvez graças ao apoio de cartas de Otto Frank.
No resto da sua vida dedicou a dar a conhecer ao Mundo o diário de Anne Frank, publicado na década de 50...
Tonny Ahlers, o homem que traiu Anne Frank morreu aos 83 anos em 04 de agosto de 2000, 56 anos após o dia que os nazistas prenderam a família Frank.

Sem comentários:

Enviar um comentário