terça-feira, 17 de janeiro de 2012

A Civilização Babilónica

Povos

A Civilização Babilónica,existiu no século XVIII a VI a.C., era, como a Suméria que a precedeu, de caráter Urbano, embora baseada mais na Agricultura do que na Indústria. O País era constituído por 12 Cidades, cercadas de povoados e aldeias. No alto da estrutura política estava o Rei, Monarca absoluto que exercia o poder legislativo, judicial e executivo. Abaixo dele havia um grupo de governadores e administradores selecionados. Os prefeitos e conselhos de anciãos da Cidade eram encarregados da administração local.
Os Babilónios modificaram e transformaram a sua herança Suméria para adequá-la á sua própria Cultura e maneira de ser e influenciaram os Países vizinhos, especialmente o Reino da Assíria, que adoptou praticamente por completo a cultura Babilónica.
As escavações Arqueológicas realizadas permitiram que fossem encontradas importantes obras de Literatura. Uma das mais valiosas é a magnífica Coleção de Leis (século XVIII a.C.) denominada "Código de Hamurabi", que, junto com outros documentos e cartas pertencentes a diferentes períodos, proporcionam um amplo quadro da estrutura social e da organização económica do Império da Babilónia.
Mais de 1200 anos passaram-se desde o glorioso Reinado de Hamurabi até á Conquista da Babilónia pelos Persas. Durante esse longo período, a estrutura social e a organização económica, a Arte e a Arquitetura, a Ciência e a Literatura, o sistema judicial e as Crenças Religiosas Babilónicas, sofreram considerável mudança. Baseados na cultura do "Sumer", os feitos culturais da Babilónia deixaram uma profunda impressão no Mundo Antigo e particularmente nos Hebreus e Gregos. A influência Babilónica é evidente nas obras de Poetas Gregos como Homero e Hesíodo, na Geometria do Matemático Grego Euclides, na Astronomia, Astrologia, Heráldica e na Bíblia.
Uma das primeiras Cidades construídas no mundo, é mencionada em documentos escritos há mais de 5000 anos a.C.
Foi edificada numa parte do mundo onde nasceram as mais velhas Civilizações, nas margens do rio Eufrates, no Iraque, no Vale da Mesopotâmia.


Povos


Cresceu em importância há 4.000 anos, quando o grande Rei, Hamurabi, governou-a.Ele conquistou todas as Cidades e Tribos ao redor e dirigiu sabiamente o seu Reino.As suas leis foram escritas em caracteres Cuneiformes, em blocos de barro,algumas foram descobertas por Arqueólogos. Outros desses blocos demonstraram que a Babilónia devia ter sido uma Cidade com muitas casas confortáveis e templos magnificentes.


Os Sacerdotes desses Templos administravam as finanças de toda a Babilónia.

Depois da morte de Hamurábi, a Babilónia foi Conquistada sucessivamente por muitas Tribos; seu segundo período de grandeza não foi atingido senão no ano de 600 a.C. Pouco antes disso, Assírios (que dominaram com crueldade grande parte da região) foram depois,derrotados por uma Tribo de Caldeus, cujo Chefe tornou-se Rei da Babilónia.O seu filho, Nabucodonosor, conquistou gradualmente outras Tribos e determinou, então, transformar a Babilónia na mais bela Cidade do seu tempo. Construiu enormes muralhas e Torres para protegê-la contra os inimigos. Edificou Templos e Palácios que foram enfeitados com lindos mosaicos coloridos e transparentes.
Foram famosos os seus jardins suspensos, que ele mandou construiu para satisfazer a sua esposa. A vegetação desse jardim crescia em terraços construídos uns acima dos outros,e podiam ser vistos de qualquer ponto da cidade.

A Religião Babilónica

A sua Cosmogonia e Cosmologia foram tomadas de empréstimo quase por completo dos Sumérios.Existia uma grande quantidade de Reis Divinos, à frente dos quais estava Marduk. Importantes eram também Samas, o Deus Sol e da Justiça, que está representado no "Código de Hamurabi"; e Ishtar, a Deusa do Amor e da Guerra. Além desses, havia Divindades dos Mundos Inferiores e alguns Espíritos Angelicais. Cada Deus principal tinha,numa ou mais Cidades da Babilónia, um grande Templo, no qual diariamente se realizavam Sacrifícios de animais, oferendas e libações.
As crenças éticas e morais dos Babilónios arrimavam-se na bondade e na verdade, na lei e na ordem, na justiça e na liberdade, na sabedoria e na aprendizagem, no valor e na lealdade. Os actos imorais ou pouco éticos eram considerados como uma ofensa aos Deuses.Temiam a Morte, já que não existia a Esperança de uma recompensa Eterna para as pessoas honradas; todos estavam destinados ao "Inframundo". Considerando isso, não é de estranhar que a obra mais popular da Literatura Babilónica seja o "Poema de Gilgamesh", centrado numa angustiante e inútil busca da Eternidade.

Povos
A Torre de Babel


Segundo o Antigo Testamento (Gênesis 11,1-9),a Torre foi construída na Babilónia pelos descendentes de Noé, com a intenção de Eternizar os seus nomes. A decisão era fazê-la tão alta que alcançasse o céu. Esta soberba provocou a ira de Deus que, para castigá-los, confundiu-lhes as línguas e os espalhou por toda a Terra.
Este Mito é, provavelmente, inspirado na Torre do Templo de Marduk, nome cuja forma em Hebraico é "Babel" ou "Bavel" e que significa "Porta de Deus". Hoje, entende-se esta História como uma tentativa dos Povos Antigos de explicarem a diversidade de Idiomas. No entanto, ainda restam no Sul da antiga Mesopotâmia, Ruínas de Torres que se ajustam perfeitamente à Torre de Babel descrita pela Bíblia.
Muitos Arqueólogos relacionam o relato Bíblico da Torre de Babel com a queda do famoso Templo-Torre de Etemenanki, na Babilónia, depois reconstruído pelo Rei Nabopolasar e pelo seu filho Nabucodonosor II. Dizem também que a Torre foi um Zigurate, uma construção Piramidal escalonada.

Sem comentários:

Enviar um comentário