quinta-feira, 3 de maio de 2012

A Crise do Imperio Romano

Europa
A desordem política e a disseminação do Cristianismo foram dois factores que, somados às Invasões Bárbaras, foram responsáveis pela Crise do Império Romano. Esse processo de ocupação foi realizado pelos Bárbaros, povos que eram assim chamados pelos Romanos por viverem fora dos territórios do Império e não falarem Latim. Foi com a introdução das tradições dos Bárbaros, também chamados Germânicos, que o mundo feudal ganhou suas primeiras feições.
Habitando as regiões fronteiriças ao Império Romano, os Povos Bárbaros foram penetrando os territórios de Roma em um processo lento e gradual. Inicialmente, dado o colapso da estrutura militar e as constantes guerras civis, os Imperadores Romanos realizavam acordos, pelos quais os Bárbaros ganharam o direito de habitar essas regiões. Em troca, eles defendiam a fronteira da invasão de outros Povos. Esses primeiros Bárbaros, incorporados ao mundo Romano, ficaram conhecidos como "Federados". Somente nos séculos IV e V que esse processo de invasão ganhou feições mais conflituosas. Com a pressão exercida pelos Tártaro-Mongóis (Hunos), os Povos Bárbaros começaram a intensificar o processo de invasão do Império Romano.
Mapas
Entre os principais povos responsáveis pela fragmentação do Império podemos destacar os Visigodos, Ostrogodos, Anglo-saxões, Francos, Suevos e Turíngios. Com a invasão dos Hérulos, em 476, houve a deposição do último Imperador Romano, Romulo Augusto, que já tinha descendência Germânica. O processo das invasões Bárbaras foi de grande importância para que o Império Romano e seu conjunto de valores e tradições passassem por um processo de junção com a cultura Germânica. Dessa maneira, a Idade Média, além de ser inaugurada pelo estabelecimento dos Reinos Bárbaros, também ficou marcada pela mistura de instituições e costumes de origem Romana e Germânica.

Sem comentários:

Enviar um comentário