quarta-feira, 20 de março de 2013

A Princesa Escrava Malinche...

A Princesa Malinalli,era filha do grande Tetcozingo,pensa-se que nasceu,mais ou menos,em 1496, em Panalla — Hoje,Região de Veracruz,Estado de  Tabasco, na fronteira entre o Antigo Império Asteca e o Imperio Maia.Qunado criança viveu feliz ao lado da mãe, Ikoki, e do seu adorado pai. Ela adorava as Historicas que ele lhe cntava sobre os Deuses,os deveres dos seres Humanos um para com o outro, e a História do seu povo.E quando completou 7 anos, foi celebrada uma grande Festa em sua Honra, “A Cerimonia do Nome Escondido”. Esse Nome secreto, “Bela Que é Destinada a um País Vermelho e Dourado”,Profetizava um Destino excepcional,confirmado pelos Adivinhos.
Mas o seu pai estava apreensivo, pois Acontecimentos terriveis multiplicavam-se;a terra tremeu e o vulcão Ixtaccihuatl cuspia fogo,um estranho Cometa surgiu no céu,além disso, o Rei de Texcoco, Nezahualpilli, que possuía o dom da Vidência, previu Calamidades. Montezuma II, o Imperador Asteca, também estava muito preocupado diante daqueles sinais nefastos.
Malinalli ficou sem o pai no início de 1515, quando tinha apenas 11 anos de idade. Estava  tomada pela tristeza,ms ao contrário, após o período oficial de luto,a sua mãe passou a dar festas no seu Palácio, convidando Príncipes, e conheceu um certo Cuitlazin, com quem se casaria dois anos mais tarde.

O Destino de Malinalli

Quando nasceu um menino dessa segunda união, a mãe decidiu livrar-se da pequena Malinalli. Dando-a como morta, vendeu-a para um Mercador de Escravos, aos 14 anos. Algum tempo depois, a menina foi comprada por Chocanputun, um Cacique de Tabasco. Malinalli foi colocada numa escola de Cortesãs. Aprendeu a servir, a ser simpática e educada,praticou canto, dança e música, de que gostava e estudou a linguagem "Mayachontal". A jovem Princesa não estava muito insatisfeita com a Vida que levava, pois podia instruir-se  vestir-se elegantemente,além disso, ela cativava as pessoas à sua volta com seus diversos talentos.
Mas de novo o seu Destino a impeliu na direcção dos Conquistadores Espanhóis,quando estes chegavam. Em 18 de Fevereiro de 1519, Hernán Cortez, ao serviço do Imperador Carlos V, deixou a Ilha de Cuba e partiu para a Conquista da Nova Espanha. Após alguns dias de Navegação, chegou à Ilha de Cozumel, ao largo da Península de Yucatán, com seus 11 Navios e 400 Soldados. Desembarcou com alguns homens e recapturou Jeronimo de Aguilar, um Espanhol capturado pelos Maias durante uma expedição anterior. Em seguida, Cortez deu ordem para zarpar, Navegando ao longo da Costa de Tabasco.
Ele fez escala perto da Foz do Rio Grijalva. Canoas vieram ao encontro daquelas estranhas embarcações com velas enormes. Um Cacique adiantou-se, como era o costume normal, trazendo presentes; ouro, prata, pedras preciosas(que fizeram brilhar os olhos dos Espanhois...) e 20 jovens Mulheres Indias, entre as quais a bela Malinalli. Ela tinha16 anos.
Assim,antes de seguir Viagem, Cortez  e os seus Tenentes ficaram com as mulheres. Malinalli destacou--se pela sua beleza, mas também pela sua gentileza,todos a admiraram e a respeitaram. Ela não sabia o que pensar daqueles Homens vestidos de Armaduras que brilhavam ao Sol, mas sentiu-se protegida e a salvo da condição de Cortesã à qual pensava ser destinada.
Como conhecia a Língua Maia e a "Náhuatl" (a sua lingua e  da maioria dos Povos do centro do México) converteu-se na sua Intérprete oficial, garantindo a comunicação dos Espanhóis com os Povos Indígenas.Tornou-se pessoa de confiança do Conquistador e sua amante,dando-lhe um filho.Mas por ser já Casado Cortez casa-a com D.Juan Xamarillo,de quem teve uma filha.
Ela é conhecida por diversos nomes; Malintzin,Doña Marina(Nome que recebeu quando foi Baptizada...)e Malinche,o nome mais conhecido.
Os registros apontam varias personagem importantes na formação da Conquista Espanhola ,do Mexico,no entanto,a figura que é mais destacada,pelo importante papel que desempenhou é Malinche.Malinche é considerada a Mãe da Nação Mexicana e também,o Simbolo da Traição Nacional.

Sem comentários:

Enviar um comentário