quarta-feira, 31 de julho de 2013

2ª Parte da Vida Misterisa de Cristovão Colombo...

A  Primeira Viagem à América;

Navios e Tripulação;

Colombo partiu com três Naus na sua primeira viagem. Eram elas a "Santa Maria" e mais duas menores, a "Pinta" e a "Niña" . As Naus em que Colombo fez suas viagens eram de madeira, não tinham máquinas ou motores e ofereciam muito pouco conforto comparadas aos grandes Navios de hoje. A Nau "Santa Maria" tinha uma tripulação de 40 homens, a "Pinta" de 26 e a Niña de 24. Havia leitos apenas para uns poucos oficiais. Os alimentos eram cozidos a lenha num fogão colocado no convés. Essas Naus dispunham de boas Bússolas, mas não tinham Barquinha (instrumento para avaliar a velocidade do navio) nem instrumentos para medir a altura dos Astros, a não ser um tosco Quadrante que não funcionava com precisão quando a embarcação balançava. Colombo navegava calculando a posição do Navio mediante estimativa. Conhecia Navegação Celeste o bastante para medir a Latitude da Estrela Polar.

Navegando Rumo a Oeste;

 A esquadra partiu de Palos, na Espanha, em 3 de Agosto de 1492 e nove dias depois chegou às ilhas Canárias. Aí os Marinheiros abasteceram os Navios e fizeram reparos. Os Navios deixaram São Sebastião em 6 de Setembro. A última terra avistada foi Hierro, uma das ilhas Canárias, em 9 de Setembro. Colombo ajustou o curso directo para Oeste. Contou com bons ventos Alísios e mar calmo durante a maior parte da travessia. O único problema que teve foi com a tripulação. Essa era formada na maior parte por homens honestos e não há evidência de que temessem "cair nos confins da Terra". Mas receavam não conseguir voltar contra o vento que parecia soprar sempre do Leste. Depois de três semanas de viagem, a mais longa que se fizera numa direção sem terra à vista, foi difícil para Colombo persuadir a tripulação a seguir em frente.

"O almirante fazia o possível para encorajá-los, mantendo vivas as esperanças das vantagens que poderiam obter", escreveu seu primeiro biógrafo. Colombo disse à tripulação que ;"havia partido com o intuito de chegar às Índias e prosseguiria até encontrá-las, com a ajuda do Senhor". Ele ou o capitão Pinzón da Nau Pinta gritavam; ''Adelante! Adelante !" (Adiante! Adiante !).

A Descoberta;

Em 10 de Outubro, todos concordaram em navegar por mais três dias e depois voltar, caso não se avistasse terra. A ilha a que Colombo deu o nome de São Salvador foi avistada à luz da lua às duas da madrugada do dia 12 de Outubro. Antes do meio-dia Colombo aportou na praia da baía Fernández e tomou posse do Novo Mundo em nome da Espanha. Acreditava e sempre insistiu que aquela era uma ilha das Índias, situada perto do Japão, ou da China. Acreditava também que os dóceis Aruaques, que ofereceram aos "homens do céu" tudo que tinham, eram índios. Soube-se depois de 30 anos que Colombo estava enganado, mas ainda assim todos continuaram a chamar os Nativos da América de índios e as ilhas que ele primeiro alcançou de Índias Ocidentais.

Os três Navios ficaram apenas uns poucos dias em São Salvador. Em 28 de Outubro de 1492, a esquadra entrou na baía de Bariay, perto de Cuba, que Colombo acreditava fazer parte da China. Exploraram dez ou 12 portos de Punta Brava até o cabo Maisí e enviaram homens por terra firme até Holguín, na esperança de que essa aldeia Nativa fosse Pequim, e que pudessem apresentar uma carta de Fernando e Isabel ao Imperador da China. Não encontraram Imperador algum, mas viram Nativos fumando tabaco era a primeira vez que os Europeus viam essa planta. Do cabo Maisí, a esquadra atravessou a passagem de Barlavento e navegou ao longo do Litoral Norte da ilha de Hispaniola. O clima e as árvores da ilha fizeram Colombo lembrar-se tanto da Espanha que lhe deu o nome de "La Isla Española" (A Ilha Espanhola).

Na véspera do Natal a Nau Santa Maria naufragou num recife perto da actual cidade de Cap Haitien, no Haiti. O Chefe índio local ajudou a salvar a carga e mostrou-se tão amistoso que Colombo decidiu construir um Forte e deixar 40 homens procurando ouro. Colombo iniciou a viagem de volta a bordo da Nau "Niña" , largando da baía de Samaná em 16 de Janeiro de 1493. Consigo levou vários índios que havia capturado.

A Difícil Viagem de Volta;

 A viagem de regresso foi bastante dura. As Naus "Niña" e "Pinta" separaram-se numa Tempestade a Oeste dos Açores. A "Niña" correu tamanho risco de naufragar que Colombo encerrou um relatório de suas Descobertas num barril e lançou-o ao mar. A "Niña" parou na ilha Portuguesa de Santa Maria, nos Açores. Aí o Governador julgou que Colombo mentia e que estivera na África ilegalmente. Prendeu a tripulação de Colombo a caminho da Igreja, mas soltou-a pouco depois. A caminho da Espanha, a "Niña" foi atingida por uma outra Tempestade que rasgou a maioria de suas velas, forçando-a a parar em Lisboa. Nessa Cidade Colombo teve a satisfação de visitar o Rei D. João II e mostrar os índios que haviam sobrevivido à viagem. A "Niña" alcançou finalmente o porto de Palos em 15 de Março de 1493. Mais tarde, ainda no mesmo dia, a Pinta chegou também a Palos.

Retorno Triunfante à Espanha;

 Juntamente com alguns de seus oficiais e os índios cativos, Colombo cruzou a Espanha a cavalo para relatar a sua viagem a Fernando e Isabel, em Barcelona. Os Reis ofereceram-lhe uma grande recepção e confirmaram-lhe o título de Almirante do mar , que lhe dava o direito de julgar os casos de Pirataria e naufrágio, questões de pagamento e outras, em qualquer ponto do Atlântico. Colombo recebeu também o título de Vice-rei das Índias e ordenaram-lhe que organizasse uma segunda viagem para colonizar Hispaniola e explorar mais além.
As Outras Viagens;

Segunda Viagem à América;

 Na sua segunda viagem, Colombo comandou 17 Navios que transportavam cerca de mil Colonos, todos homens, para o Novo Mundo. Essa "bela esquadra", como o Almirante a chamava, partiu de Cádiz em 25 de Setembro, fez escala nas Canárias e concluiu a travessia no extraordinário período de 21 dias. Chegou às Índias Ocidentais (Antilhas) em 3 de Novembro de 1493 e aportou numa ilha a que Colombo deu o nome de Mari Galante em homenagem à sua Nau capitania. A esquadra passou por Dominica, Guadalupe, Antígua, Névis, São Cristóvão, Santa Cruz, Porto Rico e outras ilhas. Em três semanas de viagem alcançou o cabo Haitiano. Todos os homens que Colombo aí deixara no Natal anterior tinham sido mortos pelos índios, a quem eles haviam maltratado. Quando Colombo tomou conhecimento da triste notícia, seguiu para Leste e fundou "Isabela", no Litoral Norte de Hispaniola. Essa foi a primeira Colonia Européia na América. Deixando a Colonia aos cuidados de seu irmão Diego, Colombo partiu com a "Niña" e mais duas Caravelas para explorar o Litoral Sul de Cuba durante o Verão de 1494.

Nessa mesma viagem descobriu a Jamaica. Voltando a "Isabela", Colombo encontrou os colonos lutando entre si e com índios. Depois de derrotar os índios e restaurar a ordem, voltou à Espanha em Junho de 1496.

Na Espanha, Colombo descobriu que muitos Espanhóis que haviam retornado do Novo Mundo queixavam-se de que ele era um Chefe cruel, o que não era verdade. Fora até demasiado brando. Os Espanhóis não estavam satisfeitos e diziam que não havia ouro em Hispaniola. Havia algum, mas não o bastante para satisfazê-los. O Rei e a Rainha acreditaram em Colombo. Enviaram novos Homens e suprimentos para a Colonia e forneceram a Colombo um Navio e duas pequenas Caravelas para fazer uma terceira viagem de Descobrimento.

Terceira Viagem à América;

Colombo partiu de San Lúcar, na Espanha, em 30 de Maio de 1498. Escolheu uma rota para o Sul, pensando que essa o levaria a terras onde mais ouro poderia ser encontrado. A esquadra deparou-se com uma calmaria a cerca de 9º de Latitude Norte e ficou paralisada oito dias, enquanto a tripulação sofria com o calor. Então o vento Alísio de Sudeste começou a soprar e levou os três Navios para a ilha da Trindade em 31 de Julho. Navegando através da traiçoeira Boca da Serpente, cruzaram o golfo de Pária em direção à costa da Venezuela. Num dos pequenos portos da Península de Pária (provavelmente Yacua), em 5 de Agosto de 1498, Colombo desceu em terra firme era talvez a primeira vez, desde o séc. XI, que os Europeus pisavam no Continente americano.

"Acredito que esse seja um grande Continente que permaneceu Desconhecido até hoje", escreveu Colombo no seu diário. Deu ao Continente o nome de Outro Mundo .

Continua...

Sem comentários:

Enviar um comentário