terça-feira, 30 de julho de 2013

A Vida Misteriosa de Cristovão Colombo 1...

 Já muito se tem escrito sobre a vida de Cristovão Colombo,embora muito enredada em teias de misterio,tanto a sua origem,como a sua vida...No entanto sabe-se algumas coisas,através de Documentos e de narrações.Assim eu tentei fazer um apanhado deste Personagem emblematico,em varias partes.Mais para a frente irei detalhar algumas Teorias sobre Colombo,que espero que não percam,na continuação destes artigos...mas por agora irei apenas nomear o que se diz conhecer de Cristovão Colombo;Espero que gostem!!!
Hoje começamos com a 1ª parte da narração;

Cristóvão Colombo, Navegador Genovês (Genova ou Savona, c. 1451 Valladolid, 1506). Foi um dos maiores Navegadores de todos os tempos.

É chamado o Descobridor da América , embora os índios já habitassem as Américas do Norte e do Sul milhares de anos antes da chegada de Colombo, em 1492. E também os Vikings já haviam explorado o litoral da América do Norte por volta do ano 1000. Porém no séc. XV os Europeus ignoravam até mesmo que esse Continente existisse. A chegada de Colombo às Antilhas levou a um contacto permanente entre a Europa e o Hemisfério Ocidental.

Anos de Preparação;

Infância;

 A data exacta do nascimento de Cristovão é desconhecida. Sabe-se, no entanto, que nasceu entre 25 de Agosto e 31 de Outubro de 1451.o nome de familia era Colombo.
Depois de ter-se estabelecido na Espanha, passou a chamar-se Cristóbal Colón.O seu pai, Domenico Colombo, era um tecelão de lã que ocupava uma posição de destaque nos negócios do grupo social local.A sua mãe, Susana Fontanarossa, era filha também,de um tecelão de lã.

Cristóvão era o mais velho dos cinco filhos do casal. O irmão mais próximo, Bartolomeu, planejou a grande viagem juntamente com Cristóvão e tornou-se o seu braço direito em todas as suas empresas. O irmão mais moço, Diego, ajudou-o a governar a Hispaniola.

Quando moço, Cristóvão ajudava seu pai na tecelagem, embora sempre tivesse desejado partir para o mar. Genova era um importante porto marítimo. Os navios Genoveses transitavam pelo Mediterrâneo e pelas suas proximidades,muitos pequenos barcos navegavam entre Genova e outras cidades costeiras. Cristóvão certamente deve ter viajado num desses barcos quando era moço e aprendido a manejar os remos e as velas.

Colombo tinha pouca instrução. O dialecto Genovês que falava era quase uma língua diferente do Italiano. Quando viajou para o estrangeiro e teve de falar Espanhol, aprendeu a ler e escrever nesta língua. Colombo teve também de aprender sozinho Latim, pois os livros de Geografia eram escritos nesse idioma. Não resta qualquer informação a respeito de que espécie de rapaz teria sido. Mas a julgar pela sua vida posterior, Colombo foi um jovem sonhador e sensível.
As Primeiras Viagens;

 A oportunidade de partir para o mar surgiu entre os seus 19 e 20 anos, quando embarcou numa Galera Genovesa alugada pelo rei Renato, da Provença, para punir os Piratas Bárbaros. Depois Colombo fez uma ou duas viagens à ilha de Quios, no mar Egeu. Seguiu-se então a viagem que quase custou-lhe a vida. Seu navio, o Bechalla , fazia parte de um comboio que seguia de Genova para a Inglaterra. Em 13 de Agosto de 1476, o comboio foi atacado por uma frota inimiga na altura, em Lagos,Portugal. Cristóvão foi ferido e o seu Navio naufragou. Lançando-se ao mar com um remo e usando-o como salva-vidas, conseguiu chegar a terra firme. Poucos meses depois Colombo estava a bordo de uma Nau Portuguesa que aportou em Galway, na Irlanda. A Nau seguiu para o Norte da Islândia, em Fevereiro de 1477, antes de regressar a Lisboa.

Na Primavera de 1477, Cristóvão encontrava-se em Lisboa, a mais movimentada cidade da Europa e onde seu irmão Bartolomeu tinha uma loja que vendia mapas e instrumentos Náuticos. Os Portugueses tinham descoberto os Açores, colonizado a ilha da Madeira e explorado a costa da África quase até o Equador. Haviam inventado um tipo de Navio de fácil manejo, a Caravela, que era capaz de avançar contra o vento ao invés de simplesmente navegar a favor do mesmo. Os Portugueses estavam tentando chegar às Índias (nome que naquele tempo se dava à Índia, à China, ao Sudeste Asiático e ao Japão) contornando a Costa Africana. Queriam das Índias ouro, pedras preciosas, drogas e especiarias que chegavam à Europa somente por terra, em longas e dispendiosas Caravanas. Enquanto os Navegadores Portugueses estavam tentando chegar ao Oriente por uma rota difícil, contornando a África, Colombo pensava em seguir o caminho que julgava ser o mais fácil, navegando directo para o Oeste.

O Que Colombo Pretendia Fazer;

 Colombo não estava tentando "provar que a terra era redonda", como tem-se dito tantas vezes. Não precisava fazê-lo; as pessoas inteligentes de sua época sabiam que a terra era redonda. Colombo estava simplesmente tentando descobrir um caminho mais curto para as Índias. Paolo Toscanelli, um sábio de Florença com quem Colombo se correspondia, acreditava que o Japão ficava apenas 5.600km a Oeste de Lisboa. Colombo esperava que, Navegando 4.400km para Oeste, ao longo da Latitude das ilhas Canárias, iria encontrar um grupo de ilhas perto do Japão onde os nativos o aceitariam como senhor. Lá planejava fundar uma grande Cidade para negociar os produtos do Oriente e do Ocidente. Nas ilhas Filipinas, que os Espanhóis ocuparam cerca de 60 anos depois da morte de Colombo, esse sonho foi concretizado.
Primeiras Tentativas Para "Vender" o Seu Plano;

Colombo encontrou dificuldades para vender o seu plano simples porque os sábios que o examinavam faziam uma idéia mais correta a respeito das dimensões da Terra do que ele próprio. A rota aérea das Canárias até o Japão tem cerca de 20.400km. Colombo fizera uma estimativa errada das proporções do globo e da largura do Atlântico. Esse erro fez com que pensasse que o Japão ficava aproximadamente onde estão situadas as ilhas Virgens.

Colombo não pedia pouca coisa. Queria três navios equipados e mantidos às custas do Rei, uma grande parte dos lucros no comércio, o cargo de Governador em quaisquer terras que viesse a descobrir, e os títulos de Almirante e de Nobreza. Queria também que todos esses privilégios se estendessem aos seus filhos. Nenhum dos Exploradores Portugueses chegara a pedir tanto. O Rei D.João II de Portugal não se interessou em investir numa empresa que os seus peritos julgavam ser impraticável e recusou o pedido de Colombo em 1482.

Durante esse período Colombo viajara até a ilha da Madeira e o golfo da Guiné em navios Portugueses e tornara-se Capitão. Cerca de 1479, casou-se com uma Dama Portuguesa, Filipa de Perestrelo, e passou a morar na ilha da Madeira. Filipa morreu logo depois do nascimento do único filho do casal, Diego. Foi sepultada na igreja do Carmo, em Lisboa.

Sucesso na Espanha;

 Em 1485 Colombo seguiu para a Espanha a fim de oferecer seus serviços ao Rei Fernando e à Rainha Isabel,os Reis Catolicos, ao mesmo tempo que Bartolomeu Dias tentava atrair o interesse de Henrique VII, da Inglaterra, e de Carlos VIII, da França. Cristóvão levou de Portugal para a Espanha o pequeno Diego. A cerca de 8km de Palos havia um Convento Franciscano chamado "La Rábida" , responsável por uma escola para meninos. Colombo decidiu deixar Diego nesse Convento enquanto seguia para a Corte. Pai e filho fizeram juntos a longa caminhada. Na porta do Convento, comeram um pedaço de pão e beberam um jarro de água. Enquanto se faziam os preparativos para Diego ficar, Colombo conheceu o frei Antonio de Marchena que se tornou seu leal protector e o recomendou à Rainha Isabel.

A Rainha, uma jovem mulher bonita e inteligente, simpatizou com Colombo e o colocou a serviço do Rei.Os seus peritos, porém, tiveram a respeito do plano a mesma opinião que os Portugueses. Além disso, Fernando e Isabel estavam em Guerra com os Mouros. Somente depois da Conquista de Granada, a última Fortaleza Mourisca na Espanha (2 de Janeiro de 1492), tiveram condições de negociar a viagem. Os peritos aconselharam os Soberanos a despedir Colombo, mas Luís de Santangel, o Tesoureiro Real, persuadiu a Rainha de que ela estava perdendo uma grande oportunidade. Isabel mandou chamar Colombo imediatamente e aceitou até mesmo penhorar as jóias da Coroa para levantar o dinheiro. Porém o Tesoureiro forneceu a maior parte dos fundos para armar a frota. Isabel conservou suas jóias e ganhou um Novo Mundo.

Cristovão Colombo voltava para casa montado numa mula, quando o mensageiro da Rainha o alcançou. Deram-lhe tudo quanto havia pedido;navios, Títulos, Honrarias e percentagem nos lucros. A nenhum Descobridor se prometera tanto antes de realizar a sua proeza e nenhuma proeza de Descobridor conseguiria exceder em tanto a sua promessa.

Continua...

Sem comentários:

Enviar um comentário